News

Crítica – Revista Concerto

“Sua composição, intitulada O lugar de todas as coisas, é feita de intensidades contidas ou dramáticas. É um romantismo vazado em expressionismos, com apelos, travessias angustiadas, expectativas nervosas, golpes enérgicos, quase violentos, tudo isso traçado numa sombra brilhante, de noturnos intranquilos. Nenhuma frieza, mas nenhuma convulsão, como se estivéssemos à beira de um abismo sem avançar para o passo fatal: o ouvinte compartilha angústias. A obra evoca, ao mesmo tempo, todo um passado da história musical, com força de criação poderosa e nova. O Quarteto Osesp empenhou a fundo suas excelentes qualidades para revelar essa estreia, francamente admirável.”

https://www.concerto.com.br/textos/critica/meditacao-uma-estreia-formidavel-e-um-quarteto-elevado

O lugar de todas as coisas – Quarteto Osesp

É com muita alegria que convido-os, queridos amigos e amigas, para a estreia de “O lugar de todas as coisas” – em concerto com o Quarteto Osesp, neste domingo (28), às 18h, na Sala São Paulo.

Este será um concerto bastante especial, que terá também “Fratres”, de Pärt, e o “Quarteto com Piano em Si bemol maior”, de Saint-Saëns:

http://www.osesp.art.br/concertoseingressos/concerto.aspx…

Esta obra é a segunda escrita para o Quarteto Osesp nesta temporada – em que tive a imensa honra de estar como Compositor Residente deste formidável grupo…

Para quem quiser conhecer a primeira peça escrita nesta residência – “Goldberg: Diálogos Entre Duas Eras” – deixo o link:

https://youtu.be/HKT4enrA9UY?t=990

Espero encontrar todos neste domingo!

As formas desta peça são numerosas. Universos sonoros são criados a cada instante. Na escuta, ao reter a atenção nas aparências, o ouvinte poderá se perder em meio às incontáveis sonoridades. Ainda assim, esta é uma obra sobre o silêncio. Há um grande abismo entre a aparência e a essência. O fluxo sonoro é eterno… Ao início, uma escolha deve ser feita. Pode-se escolher entre ouvir os sons, ou ouvir através dos sons. No ato de ouvir sem nomear não há conflito. Há apenas a liberdade… No sonho, em um instante, um mundo inteiro é criado. O sonhador apenas assiste, sem nenhum controle sobre os personagens ou acontecimentos. O sonhador então acorda e, em um instante, um novo mundo é criado… O mundo é um teatro, performado para ti, enquanto assistes da primeira fila. “Nosso espetáculo acabou. Os atores que representaram para nós são, como eu havia te prevenido que seriam, espíritos, e todos sumiram, desapareceram. E, assim como o fundamento sem base dessa visão, as torres encimadas por nuvens, os maravilhosos palácios, os templos solenes, todo este grande globo – sim, com tudo dentro – vai se dissolver e, assim como esse desfile imaterial, vai se apagar sem deixar rastro.” (Próspero – A Tempestade, Shakespeare)O aqui se torna todos os lugares… O lugar de todas as coisas.

Concierto – Ensemble Voxes Contemporánea (Argentina)

Queridos amigos, me gustaría invitarlos al concierto del fantástico ensemble “Voxes Contemporánea”, de Buenos Aires. Mi obra “Sopros do Estuário” se escuchará por la primera vez en Argentina.

Para mí, es siempre un privilegio poder hacer música con ensembles Latinoamericanos. Más aún en el caso de esta pieza, porque esta se inspira en el tema de la colonización de América del Sur…

Como artista, siempre me ha interesado mucho en conocer las culturas de diferentes pueblos del mundo. El folklore… Las canciones… Las historias antiguas… Creo que este conocimiento es un tesoro muy valioso, que merece ser preservado. En esta pieza, busqué retratar este proceso de colonización: la fuerza que una cultura puede ejercer sobre otra…

Yo creo que, en todos los casos, incluso en tiempos de conflicto, siempre puede existir un punto de equilibrio, un pequeño instante de armonía… Este mismo instante, que busqué con esta obra…

El concierto comienza pronto, 15:30, Hora de Buenos Aires, como parte de la semana de Humanidades y Artes, de la Universidad Nacional de Lanús:

https://youtu.be/HG6yE56Qpg8?t=1825

Premiação na Bienal de Música Brasileira Contemporânea

É com grande alegria que confirmo minha participação na Bienal de Música Brasileira Contemporânea 2021, com a obra “Strata”, para quarteto de cordas. Esta será minha terceira premiação nas edições recentes da Bienal.

Os concertos serão de 13 a 21 de novembro, na Sala Cecília Meireles – Rio de Janeiro. Em breve, divulgaremos os registros da estreia. Fica o convite a todos e todas para prestigiar esta semana de concertos no Rio!

Goldberg: Diálogos entre Duas Eras – Estreia Quarteto OSESP

Queridas amigas, queridos amigos de SP, gostaria de convidá-los para a estreia de “Goldberg: Diálogos entre Duas Eras”, meu primeiro trabalho deste ano como compositor convidado do Quarteto OSESP. O Concerto será nesta quinta (27), às 20h, na Sala São Paulo. Para os amigos fora de SP, o concerto será transmitido pelo YouTube da Osesp no dia 4 de junho!

Em seguida, a nota de programa, para que conheçam um pouco mais sobre esta peça… Um grande abraço, a todos e a todas! Espero encontrá-los nesta quinta, e no concerto virtual!

“Goldberg: Diálogos entre duas Eras” foi composta em um intervalo de 280 anos. A obra, escrita por dois compositores, se manifesta na forma de um diálogo, entre séculos e culturas distantes. A princípio, foram orquestradas, para quarteto de cordas, a Ária e seis das Variações Goldberg – peça para teclado de Johann Sebastian Bach, publicada em 1741. Posteriormente, foram inseridos, entre as orquestrações, quatro comentários musicais, todos escritos em 2021. Este diálogo, embora permaneça nos limites de um mesmo assunto musical, ocorre entre duas linguagens distintas: a linguagem de Bach, e minha própria linguagem como compositor. A combinação de estéticas e sonoridades vai além de um ensaio de contextualização da obra de Bach para os tempos atuais. O propósito maior desta peça é idealizar um diálogo cordial: construído por timbres e caracteres distintos, mas com respeito à natureza de cada som. Por mais distantes que sejam os discursos, por maiores que sejam as diferenças, sempre há a possibilidade do diálogo. Quando as ideias não mais buscam sobrepor-se umas às outras, mas construir um ambiente de harmonia, de respeito às diferenças – onde cada lado busca escutar, com verdadeira atenção, a essência mais íntima do outro.

http://www.osesp.art.br/concertoseingressos/concerto.aspx?IdApresentacao=8641